FORÇA E LIBERDADE

Poucas criaturas inspiraram a imaginação das pessoas como o cavalo. Imagens do animal ainda encontram-se preservadas em pinturas feitas com cores vivas na idade da pedra no interior de algumas cavernas.

Muitas divindades são representadas pelo cavalo, alguns até mesmo em forma de equinos. O corcel alado Pégaso trouxe trovões e relâmpagos para Zeus como insígnia do seu poder, e como recompensa, foi imortalizado como uma constelação no céu.

Sim, o cavalo é mais alto do que um homem. A equitação cumpre o desejo do homem de fundir-se com um ser superior e vencer as barreiras humanas. A união cavalo e cavaleiro no galope pode trazer sentimentos de euforia.

CRIANDO O INCOMUM

A maravilhosa crina e a cauda de um cavalo não são apenas naturalmente belas, mas também são extremamente resistentes.

No final do século XVIII, a crina de cavalo começou a desfrutar de um status elevado como um material elegante para cobertas de cadeira. Em primeiro lugar, foi tecida exclusivamente à mão, mas em 1872 foi construído o primeiro tear mecânico para o cobiçado material.

Suas propriedades naturais e a dificuldade de processamento faz com que a crina ainda seja usada para mobiliário e acessórios de moda luxuosos e extravagantes.

Apenas pessoas que dominaram a arte tradicional de tecer à mão, tais como Dorit Berger, conseguem aproveitar toda a gama de opções fascinantes oferecida pela crina. Sempre em busca de materiais incomuns, ela redescobriu a crina que estava praticamente esquecida. "É um material fantástico: possui um brilho incrível". Fresca e suave ao toque, mas ao mesmo tempo resistente e de longa duração, as fibras lustrosas abriram milhares de possibilidades para ela.

UMA ARTE ESQUECIDA

Produzir tecido de crina de cavalo de alta qualidade é uma arte que apenas poucos tecelões aprenderam a dominar.

Só há um único desses especialistas na Alemanha: Dorit Berger. "Eu sempre quis aprender essa arte. Há algo de conto de fadas sobre o assunto. E desde então isso sempre me fascinou." Após o aprendizado como um tecelão mestre descobriu que esse seria seu ofício.

A crina apresenta um desafio especial. Os pelos são relativamente duros e curtos e portanto não podem ser girados em um segmento contínuo. Eles certamente não podem ser tecidos da maneira convencional.

A fim de criar o delicado padrão da caneta do ano de 2009, os pelos devem ser cuidadosamente selecionados para que tenham espessura e cor uniformes. Aproximadamente 70 cabelos são tecidos individualmente para cada centímetro de tecido, tornando o trabalho extremamente demorado. Pelo por pelo, surge a mudança de textura, claro e escuro, que se contrastam de forma tão elegante com as partes de metal banhadas a platina – cada pelo traz à tona as melhores nuances em sua própria maneira. Cada caneta de crina de cavalo é uma obra de arte absolutamente única!

APRESENTAÇÃO DE ALTA QUALIDADE

Caneta do ano 2009

Cada caneta é individualmente numerada e vem em uma exclusiva caixa de madeira com um bonito libreto e um certificado assinado por Dorit Berger, que atesta que a caneta é um exemplar de uma edição limitada e, também, a qualidade e autenticidade da crina utilizada.

A pedido, uma caneta pode ser feita especialmente dos pelos da crina de seu próprio cavalo.

PESSOAL E EXCLUSIVO

A caneta do ano de 2009 representa um sentido exclusivo e individual da escrita. Cuidadosamente produzida à mão, a pena bicolor ouro 18 quilates está disponível nos tamanhos M, B e F. O clipe sólido com mola garante o posicionamento seguro da caneta uma vez inserido em um bolso. Uma tampa banhada a platina protege o mecanismo do êmbolo, no qual cada caneta é individualmente numerada.

Edição limitada a 1.500 canetas tinteiro