Caneta do Ano 2021

Cavaleiros

Graf-von-Faber-Castell - Rollerball pen Pen of the year 2021 Limited Edition
Rollerball pen Pen of the year 2021 Limited Edition
Graf-von-Faber-Castell - Fountain pen Pen of the year 2021 Limited Edition, M
Fountain pen Pen of the year 2021 Limited Edition, M

260 ANOS DE TRADIÇÃO E ESPÍRITO

Em 2021, a Faber-Castell celebra o seu 260º aniversário, relembrando a sua longa tradição. Quando a Baronesa Ottilie von Faber casou com o Conde Alexander zu Castell-Rüdenhausen em 1898, o Rei da Baviera deu a sua aprovação ao novo nome Faber-Castell. Durante séculos, os Condes e Senhores de Castell encarnaram virtudes cavalheirescas como lealdade, coragem e cuidado com os seus súbditos. Quando o Conde Alexandre ligou o seu famoso nome aristocrático ao da mundialmente famosa empresa em 1898, nasceu a identidade inconfundível da empresa. A imagem dos dois cavaleiros cavalheirescos com suas histórias, valores e virtudes, cujas lanças foram substituídas por lápis, tornou-se o símbolo dessa auto-imagem.
Assim, a Caneta do Ano 2021 é inspirada pelos cavaleiros medievais, seus heróis, mitos e lendas. O treino dos jovens demorou 14 anos. Para além da caça, equitação, lealdade, espiritualidade e artes marciais, também incluiu a dança, natação e escalada. Ao completar o treino, aos 21 anos, os homens receberam o seu reconhecimento de cavaleiro enobrecendo-os.


Mito e Lendas

Segundo a lenda, Arthur viveu como um rei glorioso e poderoso comandante militar no início da Grã-Bretanha medieval. Logo após seu nascimento, o profeta Merlin tomou Arthur sob sua asa, criou o menino e previu o futuro de seu protegido como um grande governante. A partir daí, Merlin influenciou os assuntos em benefício de Arthur e tornou-se o seu leal companheiro.

COURO E PEDRAS PRECIOSAS

Na Idade Média, prevalecia o mais forte, por isso a hábil luta de espadas e a natureza das suas armas desempenhava um papel central na vida de um cavaleiro. A Caneta do Ano 2021 é inspirada pela impressionante armadura da época do cavalheirismo. A zona de punho castanho do instrumento de escrita recria a correia de couro no punho da espada e evita que a caneta escorregue enquanto escreve. A caneta do final do ano é adornada com uma granada vermelha, facetada com corte de raio de sol. Na Idade Média, esta pedra preciosa encarnava a luz e a verdade e era usada para jóias, armas e enterros. Devido à sua dureza e alta refração da luz, a valiosa granada também era chamada de "carbúnculo", que se refere a uma pedra preciosa com propriedades mágicas capazes de proporcionar a sua própria iluminação.

Mito e Lendas

Para ajudar o jovem Arthur a ganhar a sua reputação, Merlin empurrou uma espada magnífica e extraterrestre para dentro de uma grande pedra. Nesta espada chamada "Excalibur" 1, ele inscreveu: Quem puxar esta espada desta pedra e bigorna, nasce à direita do rei. Portanto, no dia em que Artur tirou sem esforço a Excalibur da pedra, ele obteve o trono britânico.

VIRTUDES CAVALHEIRESCAS

Durante a batalha, um cavaleiro foi protegido pela sua armadura, incluindo um capacete, escudo e arma. A corrente de correio extremamente pesada, que salvou a vida de muitos cavaleiros medievais, consistia em cerca de 20.000 anéis de aço. O boné da Caneta do Ano faz lembrar a delicada estrutura do correio em cadeia. Sua superfície cinza antracite e fosca é refinada por um revestimento durável de titânio PVD. Os padrões morais dos cavaleiros foram moldados por virtudes militares, como a honra e a coragem, assim como pela decência, humildade e modéstia. Assim, a educação virtuosa dos cavaleiros também fortaleceu a sua vida social e garantiu o seu comportamento nobre, condizente com a sua posição.

Mito e Lendas

Como Arthur queria evitar disputas sobre o melhor lugar à mesa, ele introduziu uma mesa redonda 2, onde não existia hierarquia e todos os cavaleiros eram iguais entre si. Os cavaleiros que tinham um lugar na luxuosa mesa redonda eram os companheiros mais confiáveis de Arthur. Estes incluíam Lancelot, o Cavaleiro mais famoso da Távola Redonda, e o fiel sobrinho de Arthur Gawain, que se diz ter sido um gigante de um homem.

VIDA NO TRIBUNAL

A vida nos castelos medievais era dura e exigente para os cavaleiros. Estrategicamente colocados, a sua construção visava a defesa contra os atacantes. As peças foscas, antracite-acinzentadas da extremidade do boné e do barril dos instrumentos de escrita fazem lembrar as ameias de uma torre de castelo. Eles são refinados por um revestimento de titânio PVD, que se altera sempre tão ligeiramente durante o uso. Os sulcos finos na peça final do barril aparecem como fendas de seta. Outro elemento inspirado nos cavaleiros: o topo da tampa é adornado pela "cruz heráldica", também conhecida como a "cruz da esperança", pois era considerada um símbolo de esperança na Idade Média.

Mito e Lendas

O rei Artur e seus fiéis cavaleiros viviam em Camelot, onde se realizavam grandes festas na Távola Redonda. Galahad, filho de Lancelot, era outro cavaleiro impecável e fiel 3 entre eles. Seu brasão retratava um unicórnio como sinal de pureza e perfeição, e seu escudo era adornado por uma cruz heráldica vermelha sobre um fundo branco.

UMA LUTA POR HONRA

Um cavaleiro tinha de estar sempre pronto para lutar, por isso as suas armas faziam tanto parte do seu traje como a sua armadura pesada. Além da espada, lança e besta, os homens lutavam usando um arco longo e carregavam o seu escudo redondo como defesa. A forma longa e afunilada da caneta-tinteiro e da caneta rollerball faz lembrar uma lança. Duas ranhuras em ambos os lados, semelhantes às ranhuras de sangue na lâmina de um cavaleiro, dão a esta caneta do ano o seu contorno único e elegante.

Mito e Lendas

A Batalha de Camlann é a lendária batalha final da lenda arturiana. Mordred, um Cavaleiro da Távola Redonda, raptou a esposa de Arthur Guinevere e declarou-se Rei de Camelot 4 na ausência de Arthur. Na batalha de Camlann, que marcou o fim dos Cavaleiros da Távola Redonda, Mordred feriu fatalmente Arthur, que o apunhalou até à morte com a sua lança.

A ARTE DE FORJAR

Espadas de alta qualidade eram essenciais não só para as batalhas. Eram tão importantes quanto uma arma e um símbolo de status. Forjada por mestres artesãos, uma boa espada era considerada mágica e valiosa. O aço de Damasco é classificado como particularmente duro, sendo ao mesmo tempo flexível e à prova de estilhaços e era usado por ferreiros para forjar espadas cavalheirescas também na Idade Média. As suas extraordinárias propriedades são conseguidas através da soldadura repetida e dobragem de diferentes tipos de aço, que também produz a típica superfície iridescente e única. O barril da Caneta do Ano 2021 é feito de aço com apenas estas características. Graças ao padrão individual resultante, cada instrumento de escrita é verdadeiramente único.

Mito e Lendas

Por ordem do Rei Artur, Sir Bedivere, cavaleiro da Távola Redonda e único sobrevivente da Batalha de Camlann, entregou a Excalibur5 a Nimue após a morte de Artur. A espada tem estado desde então escondida no fundo do lago. A Senhora do Lago, que tinha forjado Excalibur há muito tempo em Avalon, tinha devolvido a espada a Artur como um todo depois de ter sido quebrada em batalha um dia.

OBRAS-PRIMAS ÚNICAS

Durante a Idade Média, os cavaleiros usavam o cálice para escrever. O bico de ouro de 18 quilates revestido de ruténio da Pen of the Year 2021 está disponível nas larguras de bico M, F, B e BB. Esta edição está limitada a 375 canetas de tinta permanente e 125 canetas rollerball. Com a cruz heráldica como sinal de esperança, o precioso aço de Damasco, o padrão na tampa e a peça final inspirada no correio em corrente e nas ameias, bem como com a jóia da coroa do barril, a granada facetada, os instrumentos de escrita encarnam a coragem, bravura e cavalheirismo dos cavaleiros medievais. Os instrumentos de escrita exclusivos com acabamento em titânio antracite PVD são armazenados em uma caixa de madeira preta altamente polida. Um certificado assinado pelo Conde Charles de Faber-Castell atesta a autenticidade da edição limitada.


Mito e Lendas

Após a sua morte, um barco levou o Rei Artur a Avalon, a lendária ilha das macieiras, onde Nimue, a Senhora do Lago, e a meia-irmã de Artur, Morgan le Fay, o acolheram. Lá, diz-se, o Rei Artur espera pelo seu regresso quando a Grã-Bretanha chama por um rei corajoso.